A VERDADEIRA PAZ
Segunda-feira, dia 16 de dezembro de 2013
P


Há muitos anos, um rei criou um concurso para premiar um artista/pintor que melhor representasse a paz. Entre muitas, o rei gostou apenas de duas pinturas.

A primeira era um lago calmo e cristalino que refletia as imagens das montanhas e das árvores que o ladeavam. O céu era de um azul perfeito e todos os que fitavam a pintura, enxergavam nela um profundo conteúdo de paz.

A segunda pintura mostrava um quebra-mar sobre rochas escuras e sem vegetação. O céu enegrecido, pontilhado por raios, anunciava uma grande tempestade. Definitivamente, essa pintura não revelava nenhum conteúdo de paz e tranquilidade. No entanto, quando o rei a observou com mais cuidado, percebeu que no alto das rochas havia um pequeno arbusto crescendo em uma fenda. Neste arbusto, um pequeno pássaro descansava em seu ninho.

O rei escolheu a segunda pintura e, diante de uma plateia perplexa, explicou:

- A verdadeira paz não é estar em um lugar calmo e tranquilo, sem trabalho árduo ou sem dor. Paz significa permanecer com o coração calmo, apesar das adversidades e das turbulências da vida. Esta é a verdadeira paz!

"Diante de problemas e tormentas aparentemente insolúveis, com paz no coração e com fé e confiança em Deus, sempre acharemos uma saída".